Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O fumo do meu cigarro

Apenas um outro blog

O fumo do meu cigarro

Apenas um outro blog

Só mais uns pensamentos à toa

Janeiro 24, 2018

Bruno

Não sei se haverá muita gente que conheça a sensação de imaginar escrever alguma coisa, fazer qualquer outra coisa antes e esquecer-se do que ia escrever.

 

Às vezes, fico-me a pensar e tento desvendar as pessoas e as suas motivações. Depois, lembro-me de que, de há um tempo para cá, dificultei um pouco a comunicação ou o encontro comigo; especialmente desde que saí do café, fechei-me um pouco e não vejo, nem encontro muita gente: cafés vão ficando por marcar, pessoas afastam-se e deixam de se falar.

No entanto, há pessoas que se consideram amigas, mas... serão assim tão amigas? Vocês tentam falar com essas pessoas, as mensagens são lidas e não são respondidas ou, se o são, com frases tão curtas, que sabemos que se sentem incomodadas com as nossas mensagens. Vocês gracejam e não têm qualquer tipo de resposta. No entanto, quando querem alguma coisa ou quando precisam, é vê-los cair aí, um por um, às vezes, são várias mensagens e chamadas no mesmo dia. Incomoda-me bastante esta situação - e não consigo ver as coisas pelo prisma de sentir-me bem, por ser de quem se lembram nas horas "obscuras".

Ultimamente, sinto-me bastante incomodado com várias coisas. Sinceramente, até me passo da cabeça.

 

Mas nem só de coisas más ou de maus pensamentos (por muito maus que sejam os presságios) se faz a vida.

Sentia-me atormentado por uma má notícia há uns meses. Finalmente, o dia que esperava, chegou: está tudo bem, pelo que posso acalmar-me (que piada!)

 

E, por escrever de maus presságios, lembrei-me que ia escrever o seguinte: por muito paranóico que eu seja, nunca me arrependo de confiar no meu instinto.

Saí de casa à uma da manhã, para ir ter com um amigo às bombas e beber um café. Acabámos por ir para o jardim atrás das ditas fumar, quando começam a chamar-nos e um personagem aproxima-me. Mete conversa, até que acabamos por nos tornar um pequeno grupo. Se existe essa oportunidade de nos afastarmos, eu não penso duas vezes, especialmente se, no meu âmago, já quero ir embora desde que o personagem se aproxima. 

Tudo isto, para dizer que ainda que entre em qualquer tipo de "paranóia" com alguma frequência, é bom confiar no meu instinto. Já houveram situações em que me safei de problemas por confiar nesse instinto.

11 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D