Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O fumo do meu cigarro

O fumo do meu cigarro

12
Dez16

Para não perder-me

Bruno

Pensei em iniciar aquele outro blog. Um blog onde exporia a minha mais crua vertente, a vertente mais despida, mais nua, mais pura. 

Pensei em iniciar aquele blog, onde escreveria sobre a sexualidade, sobre fantasias, com todo e qualquer detalhe. Não tenho, porém, um pseudónimo de "confiança", de agrado. 

Pensei que pudesse iniciá-lo, falando dos dois ciganos na bomba, à procura de bares de alterne e da sua assunção, após a minha inocência ao mencionar, que procuravam prostitutas. Mencionaria o olhar de um deles, que acordou algo selvagem em mim. Escreveria sobre receber dinheiro por satisfazer homens, sem vergonhas, sem pudores, porque era eu, porque era, no fim de contas, outro. 

 

Não sei o que me prende à necessidade de um alter-ego, que fale por mim, que assuma esse nome, tal como as gentes na minha cabeça, assumiram as suas existências. 

Não sei que medo tenho, se já antes, mencionei um site do qual faço parte, mais orientado para o fetiche, sado-masoquismo e para fantasias sexuais em geral (na secção sobre mim, tenho os resultados de um questionário, que me apontam, maioritariamente, como um voyeur e exibicionista, com fortes tendências de predador). 

Não entendo que receio é este - impede-me! 

 

Encontrei-me com uma amiga muito querida e conheci o seu amigo australiano. Engraçado, simpático, jeito alternativo. Deu para desenferrujar o meu Inglês, que se emaranha na língua, devido à rapidez com que falo. 

Conversa com conversa, brincadeira com mais brincadeira, ela diz-lhe que escrevo e que sou talentoso. 

Há muito que, apesar de não me envergonhar da minha... "arte", não me sentia tão nu, tão exposto perante um estranho. Foi uma boa e estranha sensação. 

 

Não entendo que é que me prende, que é que me afasta de tudo quanto mais desejo, de tudo quanto mais ambicionei. 

Não tenho desejos, não tenho sonhos, não tenho ambições. Interessa-me, neste momento, manter-me à tona. Interessa-me viver mais um dia. 

Não me interessa o amor ou qualquer sentimento; quero, antes, as belezas desse mundo, dessa vida, como dois ciganos num carro, com dinheiro para gastar, para aliviarem a tesão e a tensão sexual acumulada. Quero, antes, a polícia em toda a sua pujança, tentando demonstrar uma imensa superioridade, aqueles corpos viris, movendo-se na mesma sombra que eu. 

 

Pensei. E vou pensando em muita coisa. E, enquanto penso, enquanto sinto, vou escrevendo. 

Haja vontade, haja disposição, para que não me perca de vez. 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D